5 coisas que você deveria saber antes de comprar na Amazon

5 coisas que você deveria saber antes de comprar na Amazon

A Amazon é uma das maiores e mais populares plataformas de comércio eletrônico do mundo, atraindo clientes com a conveniência de uma grande variedade de itens disponíveis, preços baixos e opções de entrega rápida.

Apesar de toda essa conveniência, ou talvez para alcançá-la, a Amazon tem práticas pouco éticas, que podem ser suficientes para você reconsiderar usar a plataforma para suas compras.

5 coisas que você precisa saber sobre a Amazon

Como parte de seu império, a Amazon tem produtos como Kindle, Audible, Alexa e Amazon Prime Video – cada um deles tem seus próprios problemas, especialmente em relação à coleta e ao armazenamento de dados do usuário -, mas seu recurso mais usado é o comércio eletrônico. Aqui estão 5 coisas que você deveria saber sobre a empresa tão presente na vida e nas compras dos brasileiros.

O Prime quase nunca vale a pena 

A menos que se compre na Amazon com muita frequência, o serviço de frete grátis e desconto do Prime não faz jus ao seu custo mensal, podendo se tornar uma despesa desnecessária. Paralelamente, os usuários podem acabar presos em um monopólio, afinal, por que comprar em outro lugar quando se tem (sob certas condições) o frete grátis do Prime? Claro, o Amazon Prime não se limita a isso, dando acesso também ao Prime Vídeo e Prime Music. Porém, se você assina apenas pelas vantagens no e-commerce, o serviço não é grande coisa.

Nem sempre é a opção mais barata

Pode parecer óbvio para alguns, mas muitas pessoas acreditam que comprar na Amazon sempre fica mais barato, mas como a multinacional é como uma loja de departamentos e oferece todo tipo de itens, alguns produtos, na verdade, são mais caros. Além disso, lojas que focam em produtos específicos podem oferecer melhor preço e maior variedade, por isso é aconselhado pesquisar em outros lugares e comparar valores antes de comprar na Amazon. 

É prejudicial para as economias locais

A Amazon não apenas foi acusada de manipular o mercado editorial ao fixar preços artificialmente altos para e-books, como também de fazer pressão nas editoras ao conseguir vender livros físicos a preços muito baixos – e embora perca dinheiro com cada venda de livro, a Amazon ganha dinheiro ao reter o usuário.

A empresa também é nociva para as pequenas empresas, muitas delas fecharam por conta do monopólio do comércio eletrônico. E a relação entre as pequenas empresas que usam a Amazon como plataforma de venda não é tão “mutuamente benéfica” como é promovida pela multinacional; a Amazon usa dados de lojistas terceirizados para criar suas próprias subsidiárias que atuam como outros “lojistas terceirizados”, para dominar a concorrência. 

De acordo com um estudo do National Bureau for Economic Research, pelo menos 10% do sucesso da Amazon se deve ao fato de que ela evita impostos que, por exemplo, as livrarias físicas pagam. Desde 2018 a Amazon é criticada por encontrar maneiras de evitar pagar imposto sobre lucro, se este não fosse o caso, somente em 2021 a empresa teria pago pouco mais de US$ 7,3 bilhões ao governo dos EUA, o valor corresponde a 21% do seu lucro total no ano. 

Tem fama de explorar seus trabalhadores

Um longo histórico de acusações e violações de leis trabalhistas acompanha a Amazon ao redor do mundo, com novos casos sendo denunciados frequentemente. Essas denúncias incluem salários baixos demais para sobrevivência, controle de idas ao banheiro e intervalos para beber água, ameaças da gerência para que funcionários trabalhem cada vez mais e mais rápido – ignorando as precauções de segurança-, e espionagem e repressão de conversas privadas entre os funcionários em armazéns.

Estudos realizados nos EUA e no Reino Unido mostram que os trabalhadores da Amazon sofrem o dobro da taxa média de lesões do setor. Ainda assim, a Amazon se recusa a admitir sua responsabilidade pelos maus-tratos persistentes que os trabalhadores sofrem, alegando que os incontáveis casos são “histórias sem fundamento”. 

É extremamente poluente

As entregas chegam em caixas ou envelopes de vários tamanhos, que geralmente são preenchidos com plástico bolha ou outra proteção plástica. Às vezes, quando se pede vários itens, todos eles vêm bem organizados em uma única caixa, outras vezes eles vêm em várias caixas separadas – todas com sua própria quantidade de plástico. Multiplique isso pelos milhares de pedidos diários em todo o mundo.  

O lixo gerado, reciclável ou não, ainda é uma pequena parcela do problema. Apesar dos esforços da empresa para se vender como líder em ações climáticas, as emissões de carbono da Amazon só têm aumentado.

Em 2021 a empresa emitiu o equivalente a 71,54 milhões de toneladas métricas de dióxido de carbono, um aumento de 18% em relação a 2020 e de quase 40% em relação a 2019 – ano em que criou o “compromisso climático” de neutralizar sua emissão de carbono até 2040.


https://olhardigital.com.br